No início do Verão, a Jacinta Maciel, presidente do Conselho Directivo Regional Norte, escreveu uma excelente reflexão sobre a formação contínua e o efeito trampolim. Fala-nos da necessidade contínua de efectuarmos saltos profissionais, ao sabor de novos saberes que outros partilham connosco em acções de formação, na vida profissional nas instituições onde trabalhamos, nos blogues, etc. A opção por aprender sempre e frequentar locais de aprendizagem continuamente é um trampolim e não  é uma corrida para alcançar um melhor Curriculum Vitae.
Participei no Encontro Web 2.0, em Braga, no 10 de Outubro passado, e assisti à conferência do magistral Graham Attwell (Pontydysgu, Reino Unido) que dizia isto mesmo: a aprendizagem não é um caminho pré-definido, é um trilho que cada um vai escolher individualmente – “vaguear ” – para encontrar o seu caminho. Todos nós, “vencedores e derrotados” (expressão de G.A) começamos juntos numa linha, num mesmo ponto de partida e vamos chegar à mesma meta. Está tudo do nosso lado, cada um pode optar o percurso que faz, aprender ou não aprender, a forma como o faz e escolher os conteúdos de aprendizagem que o irão acompanhar na vida profissional.
O futuro da formação contínua passa por cada um de nós, profissionais já repletos de competências, que queremos completar o nosso caminho “vagueando” por ferramentas de aprendizagem, níveis de ensino, fontes de conhecimento, ambientes diversos, procurando guias, andaimes e apoios.
Como vogal de formação, na BAD Norte, lanço a questão do nosso maior envolvimento na aprendizagem e na necessidade de criarmos percursos individuais. Isto é que vai fazer de cada um de nós, de cada profissional, um ser profissional único e especialista.
A BAD tem proporcionado ambientes de aprendizagem de variadas formas, com conteúdos diversos. O que queremos mais? Que defendemos? Que exigimos?
Hoje, terminamos o projecto para o Plano de Formação contínua,  na zona Norte, para o ano de 2009. Oxalá que a oferta de acções de formação, disponibilizada por todos os colaboradores, nossos colegas, que connosco quiseram partilhar os seus saberes, tenham resposta dos profissionais.
Vamos encontrar o caminho juntos? Criar conexões?
Mais um papel para o profissional da informação: criar o seu próprio caminho, enriquecido com o que realmente nos é importante e que necessitamos para trabalharmos e crescermos e que escolhemos livremente. Os andaimes podem ser a BAD, se quiseremos.

(brevemente será divulgado o Plano de Formação 2009, no sítio web da BAD)

Luísa Alvim | Vogal de Formação Conselho Directivo Regional Norte