Susana Martins | Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão, Instituto Politécnico do Porto, Assistente | Colaboradora do blogue

Actualmente podemos assumir que o Ensino Superior tem pela frente um grande desafio, uma grande mudança. Perante o cenário de uniformização do Ensino Superior no espaço europeu, consequência da Declaração de Bolonha, alterações de paradigma foram levadas a cabo. Os cursos foram adequados à luz da referida Declaração e seus princípios, cargas horárias, metodologias de ensino e de avaliação sofreram alterações.

A mudança foi e é imensa, não só para o corpo docente, mas também para o corpo discente. Velhos do Restelo acordam perante cenários como este, questionando a mudança, a ela resistindo. Tanto os professores como os estudantes, na sua maioria, haviam-se acostumado a um cenário onde os papéis clássicos do Processo Ensino-Aprendizagem (PEA) estavam bem definidos e as suas fronteiras eram pacíficas: o professor debitava a matéria e o aluno recebia a matéria.

Ora, o advento da Internet proporcionou uma alteração deste cenário conduzindo, actualmente, a uma autêntica revolução social que em tudo influência a vida do Ensino Superior.

Na década de 90, a Web 1.0 personificou uma mudança no modo como as pessoas comunicavam, se divertiam, se organizavam e até no modo como trabalhavam. A Web 2.0 levou este conceito bem mais longe, ao ponto de a revista “Time” ter votado, em 2006, “Tu” como a pessoa do ano. “Tu” seriam os utilizadores das novas tecnologias, das ferramentas e aplicações Web 2.0 que abriam as portas para uma nova dimensão a processos tradicionais. Esta dinâmica estava agora patente em expressões como “Web participativa” ou “autoria colectiva”.

Estas alterações sociais acabaram por, inevitavelmente, reflectir no Ensino Superior pois os seus alunos, actualmente, são o “Tu” votados pela revista Time, pessoas habituadas a usar o computador e a Internet desde muito novos, uma massa info-incluída

Perante tal situação, resta apenas ao Ensino Superior usar a experiência que os seus estudantes têm em ferramentas e aplicações informáticas, tanto a nível de ofimática – processadores de texto p.ex., como a nível de lazer – Flickr, Youtube, Blogues etc. e transpô-la para o seu core business – o ensino.

Os actuais estudantes do Ensino Superior sentem um grande à-vontade na utilização de sítios web como Blogger, Wikipedia, Hi5, Flickr ou YouTube onde usam ferramentas simples, intuitivas e disponíveis para todos.

Assim, perante o cenário actual, podemos pensar que a utilização de ferramentas Web 2.0 no PEA só poderá trazer vantagens:

  • Facilidade de comunicação entre os dois principais intervenientes do PEA – o mundo virtual liberta os estudantes de eventuais constrangimentos, facilitando a sua expressão através da utilização de um interface com o qual os estudantes se sentem à vontade,
  • Maior participação escrita, criação de hábitos de opinião, submissão dos textos à opinião dos pares (o estudante escreve e opina acerca do texto do colega),
  • Pesquisa colectiva e trabalho colaborativo tendem a aumentar o interesse do estudante pelas matérias abordadas,
  • Participação presencial e virtual fomenta o diálogo e discussão de temas nas aulas e aumenta a confiança do estudante.

Actualmente, o ensino de qualidade não se sustenta, apenas, da actividade lectiva presencial. Tem que haver um aporte virtual que possibilite ao docente a criação de espaços de debate onde os estudantes possam, livres de constrangimentos, participar e colaborar no PEA. Só assim é possível “apanhar o comboio” e integrar os estudantes no PEA tal como preconizado pela Declaração de Bolonha.

Referências

Collis, B. ;  Moonen, J. – Web 2.0 tools and processes in higher education: quality perspectives – Educational Media International. 2008. [consult. 06 Out. 2008]. Disponível em WWW: < URL http://www.informaworld.com/smpp/section?content=a793858056&fulltext=713240928&gt;

Ware, M. – Web 2.0 for higher education « putting down a marker. 2007. [consult. 06 Out. 2008]. Disponível em WWW: < URL http://mrkwr.wordpress.com/2007/06/22/web-20-for-higher-education/&gt;

Weller, Martin -SocialLearn: Bridging the Gap Between Web 2.0 and Higher Education. E-Literate. 2008. [consult. 06 Out. 2008]. Disponível em WWW: <URL http://mfeldstein.com/sociallearn-bridging-the-gap-between-web-20-and-higher-education/&gt;

Anúncios