A PSP de Braga apreendeu, no dia 23 de Fevereiro, numa feira de livros de saldo alguns exemplares de um livro sobre pintura. A polícia considerou que o quadro do pintor Gustave Courbet, reproduzido nas capas dos exemplares, era pornográfico, adiantou uma fonte da empresa livreira.

António Lopes disse que os três agentes policiais elaboraram um auto no qual afirmam terem apreendido os livros por terem imagens pornográficas expostas publicamente.

O quadro do pintor oitocentista – tido como fundador do realismo em pintura – expõe as coxas e o sexo de uma mulher, sendo, por isso, a sua obra mais conhecida. Pintado em 1866, está exposto no Museu D’Orsay em Paris.

António Lopes manifestou-se “indignado” com a atitude da PSP: “isto é uma vergonha, um atentado à liberdade”, afirmou. O empresário é um dos sócios da distribuidora ‘Inovação à Leitura’, de Braga, organizadora da Feira do Livro em Saldo e Últimas Edições, que está a decorrer, até ao dia 8 de Março, na Praça da República – vulgo Arcada – no centro de Braga.

Segundo os especialistas, Gustave Courbet era já um pintor “conhecido em França pela sua destreza técnica mas sobretudo pela sua atitude crítica e corrosiva em relação à sociedade burguesa, que não perdia ocasião de afrontar”.

Courbet, um socialista convicto, ao representar frontalmente as coxas e o sexo de uma mulher, com o quadro “A Origem do Mundo” abalou profundamente o meio artístico, tendo a sua exposição pública sido proibida na época.

Fonte: Lusa

Anúncios