Ao longo das últimas décadas, com especial incidência nos últimos vinte anos, o país foi dotado de equipamentos culturais significativamente renovados, ou construídos de raiz, nas áreas dos museus, dos arquivos e das bibliotecas.

À aposta inicial de construção de uma biblioteca pública em cada concelho do País, iniciativa proposta e fortemente apoiada pela então Secretaria de Estado da Cultura que mereceu um caloroso acolhimento por parte dos municípios, seguiram-se programas de renovação de museus e de arquivos, fossem eles dependentes da Administração Central ou da Administração Local.

As políticas prosseguidas nesta matéria contribuíram para disseminar, por todo o País um vasto e importante conjunto de equipamentos culturais, criando novas condições para a valorização cultural, social e educativa das populações, criando também novos desafios aos responsáveis pelas instituições, nas estratégias de fidelização e acréscimo de públicos, nas formas de relação com as comunidades em que se inserem, nas metodologias de estudo, divulgação e conservação do património cultural à sua guarda.

A vontade de começar a fazer um balanço entre os desafios que se colocaram, ao longo deste período, aos arquitetos, que projetaram edifícios de raiz ou adaptaram imóveis pré-existentes a novas funcionalidades programáticas, mas também aos responsáveis que, após a obra feita, abriram esses novos espaços à fruição pública, leva-nos a organizar um Encontro, subordinado ao tema “Museus, arquivos e bibliotecas – Da conceção à utilização”. Nesse Encontro, pretende-se partilhar e debater a reflexão de arquitetos e de responsáveis de instituições culturais,sobre o longo processo que medeia entre a conceção de um projeto de arquitetura e a abertura ao público de um equipamento cultural novo ou renovado, sobre as dificuldades sentidas ao longo desse processo, sobre os desafios que se colocam na utilização desses equipamentos.

O Encontro,que decorrerá nos dias 26 e 27 de janeiro, no auditório do Museu Nacional Soares dos Reis, integra a programação em torno da exposição DOMUSae, em exibição no MNSR,organizada pela Gerência de Infra-Estruturas e Equipamentos da Cultura (Espanha) em colaboração com o IMC.

 

PROGRAMA

 

1º Dia    26 Janeiro

 

9.30 – Sessão de abertura

Drª Maria João Vasconcelos, Directora do Museu Nacional Soares dos Reis

Representante do Instituto dos Museus e da Conservação

Representante do Governo de Espanha

 

10.00 – Perspectivas globais

Representante espanhol

Dr.Manuel Bairrão Oleiro, Instituto dos Museus e da Conservação

 

10.30 – Painel I – Moderador – Arqº João Herdade

Arqº Manuel Maria Reis

Arqº  Nieto y Sobejano

 

11.30 – Coffee break

 

11.45 – Painel II  – Moderador – Dr. Manuel Bairrão Oleiro

Drª Maria João Vasconcelos, Museu Nacional Soares dos Reis

Drª Maria João Pires de Lima, Arquivo Distrital do Porto

Directora del Museo Nacional de Escultura de Valladolid

 

12.45 – Almoço

15.00 – Painel III  – Moderadora – Drª. Isabel Silva

Arqº Carlos Guimarães

Arqº Paredes Pedrosa

Dr. Agostinho Ribeiro, Museu de Lamego

Drª Maria José Moura, Bibliotecária

16.20 – Intervalo

16.35 – Painel IV – Moderador – Dr. Agostinho Ribeiro

DrªAna Alcoforado, Museu Nacional Machado de Castro

DrªIsabel Silva, Museu D. Diogo de Sousa

Dr. Artur Corte-Real, Mosteiro de Santa Clara a Velha

Subdirectora general de Coordinación Bibliotecária del Ministério de Cultura

 

18.00 – Debate

 

2º DIA  •  27 Janeiro

10.00 – Painel V  – Moderadora – Arqtª. Manuela Fernandes

Arqt. Belém Lima

Arqt. Benedito y Orteu

 

11.00 – Painel VI – Moderadora – Drª. Maria João Vasconcelos

Arqt. José Manuel Soares

Arqtª Helena Barranha, Museu Nacional de Arte Contemporânea /

Museu do Chiado

DrªSilvana Bessone, Museu Nacional dos Coches

Director del Arquivo Histórico de Álava

 

12.20 – Debate

13.00 – Encerramento